domingo, 6 de dezembro de 2020

FAMILIARES DO CASAL GUILHERME E THAYZA ESCREVEM AO MINISTRO DA JUSTIÇA

 


Sem mais acreditar em solução por parte das autoridades paraibanas, familiares são orientados por importantes advogados criminalistas e decidem escrever ao Ministro da Justiça, sr. André Luiz Mendonça, relatando todo o sofrimento em que se encontram desde o fatídico acontecimento que vitimou cruelmente o casal Guilherme Alves e Thayza Kelly, mortos em uma emboscada na tarde do domingo de 07 de janeiro de 2018.


A manifestação dos familiares ao Ministro da Justiça, certamente provocará consequências ao Governo da Paraíba, na pessoa de seu representante maior, sr. João Azevedo; pelo fato do Estado se omitir em promover devidamente as investigações que possam levar os culpados a responderem criminalmente pelo monstruoso assassinato de Guilherme e Thayza.


Sabemos que o próprio governo da Paraíba pode ser denunciado por omissão aos organismos internacionais de Direitos Humanos, por negligência em apurar o caso que insiste em caminhar a passos de tartaruga. Com esta sábia decisão dos familiares das vítimas, assessorados por profissionais competentes do Direito Criminal, o caso ganhará novos contornos pois dificilmente o Ministério da Justiça, através de seu Ministro titular, sr. André Luiz Mendonça, deixará de intervir para que o caso venha a ser esclarecido em definitivo.


É intrigante o fato das investigações estarem praticamente paralisadas. Tomamos conhecimento que a sra. Maria de Fátima foi ouvida recentemente pela autoridade policial. Desconhecemos os termos da audiência e igualmente desconhecemos se um familiar de Guilherme chegou a ser ouvido, tendo em vista existir um áudio gravado e entregue diretamente ao Juiz(a) da Vara Criminal. Há um verdadeiro acervo de informações contidas neste áudio que precisavam, com a máxima urgência, ser apuradas dentro do Inquérito Policial em curso.


Existem demasiadas razões que justificam, por si só, a decisão familiar de buscar Justiça na esfera nacional. Conforme análise do caso pelo Ministério da Justiça, o duplo homicídio poderá ser investigado pela Polícia Federal, dada a sua federalização. Acontecendo tal falto, não só os mandantes e os criminosos executores serão identificados, como também os supostos facilitadores que agiram ou agem para que o processo não seja esclarecido; e juntos possam ser enquadrados pela Lei. 


É um passo significativo este procedimento familiar. O crime horrendo não pode ficar no esquecimento proposital das autoridades. É lamentável que o governo paraibano deixe-se passar por tal vexame nacional. Trata-se de um fato que compromete a imagem governamental no combate aos crimes de pistolagem.